Ah, o amor… Tão cantado em verso e prosa, tão em falta em algumas situações. Se não há quem duvide dos seus benefícios, é sempre uma boa ideia espalhá-lo por aí, não é mesmo?

Mas afinal, como isso é possível? Dá para viver de maneira mais amorosa mesmo em tempos de opiniões polarizadas? Que hormônios controlam as sensações de prazer, bem-estar e felicidade no nosso cérebro? Será que a alimentação vegetarianpode dar uma forcinha na ativação desses hormônios para que a gente consiga espalhar ainda mais positividade por aí? Vem descobrir!

Afinal, dá para viver de maneira mais amorosa?

Sim! A vida nas grandes cidades é sempre corrida, o tempo é pouco, os compromissos são muitos e acaba sobrando pouco espaço na agenda para pensar nisso.

Mas acredite, viver de maneira mais amorosa, além de fazer um enorme bem para você e para todos que estão à sua volta, não exige esforços sobre humanos. Saiba o que dá para fazer ainda hoje!

1. Pratique a comunicação não violenta

Você já parou para pensar que a maior parte dos confrontos surge não pela diferença de opiniões, mas pela maneira como elas são expostas? É a partir dessa ideia que a comunicação não violenta propõe uma nova maneira de dialogar para evitar conflitos.

Em linhas gerais, a proposta é deixar de lados os julgamentos e estimular a compaixão na hora de ouvir o próximo. Sabe aquele seu amigo que tem um ponto de vista bem diferente do seu, seja sobre alimentação, política ou religião?

Que tal tentar ouvi-lo de maneira mais acolhedora e generosa, sem partir do pressuposto que é preciso classificar o que ele pensa como certo ou errado? A ideia é escutar o que o seu interlocutor tem a dizer sem o espírito de que é preciso buscar um argumento para vencer o “debate” ou provar seu ponto de vista, mas apenas para compreendê-lo.

2. Tenha empatia

Em tempos de agressões gratuitas nas redes sociais e no mundo virtual de maneira geral, sempre que for se expressar de maneira mais dura, pare e reflita por apenas 5 segundos: como eu me sentiria se ouvisse de alguém, face a face, o que estou prestes a escrever?

Se ainda assim não se sentir demovido da ideia, faça um segundo exercício. Lembre-se de um momento em que esteve fragilizado, seja por qual motivo for. E se você tivesse ouvido o que está prestes a escrever agora?

Pode ser que o seu interlocutor, que talvez você nem conheça, esteja passando por algo similar. Ter empatia ajuda a evitar atitudes impulsivas, dissipa a raiva e abre espaço para a compaixão e o amor.

3. Sorria mais

Não só para o crush naquele encontro ou para o seu filho naquele momento especial, mas para todos à sua volta!

Poucas atitudes são mais eficientes para desarmar situações tensas e espalhar amor e positividade do que um sorriso. Experimente sorrir, por exemplo, para o caixa da padaria, para as pessoas que você encontra no elevador ou para o colega de trabalho da mesa ao lado ao chegar de manhã.

Mesmo sem saber, sua atitude pode ajudar a trazer um pouco de alegria para alguém que está tendo um dia ruim e a tornar o clima mais leve nos ambientes em que você circula. Só experimente!

A ciência também pode dar uma ajuda?

Se ainda não encontraram uma fórmula secreta que nos ajude a encontrar um amor de verdade e ser feliz para sempre, o que acontece no nosso cérebro quando estamos felizes ou amando pode ser muito bem explicado pela ciência.

Para os cientistas, aquela sensação de borboletas no estômago que você sente quando se apaixona ou o amor que emana ao ver seu filho dormindo no berço decorrem de uma ação neurobiológica bastante complexa baseada em atividades cerebrais conduzidas por hormônios e neurotransmissores. Conheça melhor alguns deles:

  • Ocitocina: também chamado de o hormônio do amor, a ocitocina está ligada à sensação de segurança e bem-estar físico e emocional que sentimos quando estamos próximo às pessoas que amamos, diminuindo a ansiedade e o estresse. Por isso, ela é liberada quando estamos com nossos parceiros ou durante a amamentação, por exemplo.

  • Serotonina: o neurotransmissor atua no cérebro regulando não só o humor, como o sono, o apetite e até mesmo o ritmo cardíaco. Quando há altas concentrações de serotonina na corrente sanguínea, como quando nos exercitamos ou realizamos atividades prazerosas, somos invadidos por uma sensação de relaxamento e bem-estar.

  • Dopamina: também conhecida como o neurotransmissor do prazer, ela atua nos centros de recompensa do cérebro. Sua diminuição está frequentemente associada a quadros de depressão, já que a dopamina  está ligada a regulação do humor e à sensação de motivação, foco, concentração e produtividade.

  • Endorfina: também chamada de o hormônio da felicidade, a endorfina é liberada principalmente através de atividades que estimulem os sentidos, como praticar atividades físicas, ouvir uma música agradável, estar com o parceiro ou ver um filme do qual você goste.

Dieta do amor: a alimentação vegetariana pode ajudar a espalhar o amor por aí?

A alimentação vegetariana também pode contribuir — e muito! — para a criação dessa onda de positividade e amor! Nutrir-se com alimentos livres de sofrimento animal, por si só, já deixa o corpo — e a vida! — muito mais leve e causa um impacto positivo no planeta.

Além disso, alguns alimentos podem auxiliar na produção desses neurotransmissores da felicidade, do prazer e do bem-estar. Quer saber quais são eles?

Chocolate escuro

Não precisa ser especialista em nutrição para associar chocolate a momentos de prazer e felicidade, não é mesmo? A simples menção a um bolo fofinho ou uma caixa de bombons provavelmente já é suficiente para arrancar um sorriso de você que está lendo esse texto.

Isso porque o cacau ajuda a aumentar os níveis de serotonina no cérebro e, quando consumido com moderação, pode ajudar você a se animar naqueles dias mais cinzas. Além disso, ele também ajuda a liberar endorfina e é rico em antioxidantes, que retardam o envelhecimento das células.

Para obter todos esses benefícios, no entanto, o ideal é consumir chocolates com menor teor de açúcar e no mínimo 70% de cacau em sua composição.

 

Chá de maracujá

Quando o assunto é estimular o amor e a felicidade, o chá de maracujá é um ansiolítico e relaxante muscular natural. Além disso, a passiflora possui alcaloides derivados do aminoácido triptofano que tem função antidepressiva.

Oleaginosas

Nozes, castanha do pará e amêndoas são algumas das oleaginosas que podem ajudar na tarefa de espalhar amor e bem-estar pelo mundo. Ricas em triptofano, aminoácido que precede a serotonina, elas ajudam a aumentar a sensação de bem-estar e prazer.

Além disso, como são ricas em magnésio, cobre e selênio, auxiliam na manutenção da memória e na redução do estresse. E quanto menos estresse, mais fácil fica abrir caminho para o otimismo e a empatia se instalarem!

Maçã, abacate e banana

Fáceis de encontrar em qualquer região do país e de preço acessível, essas frutas ajudam a estimular a produção de dopamina no cérebro e contribuem não só para a sensação de bem-estar, mas para aumentar a motivação, foco e produtividade.

Como é rica em fibras, a banana também ajuda a melhorar o trânsito intestinal, enquanto o abacate auxilia na redução do estresse e na manutenção da saúde cardiovascular e a maçã retarda o envelhecimento e diminui a ansiedade. Sem dúvida, um trio de respeito!

E então, gostou de saber como você pode ajudar a espalhar o amor por aí? Se você quiser saber mais sobre alimentação vegetariana e entender como é possível manter uma dieta saborosa e livre de sofrimento animal, baixe agora mesmo o e-book Guia Completo Para Um Vegetariano!