Que a soja contém um alto índice de proteína, isso é verdade, mas vamos procurar saber até onde vão os seus benefícios e onde começam os riscos.

A soja é rica em fitoestrógenos, hormônios que também são encontrados em plantas e que são semelhantes aos hormônios humanos. Os fitoestrógenos podem se unificar de forma deficiente aos receptores de estrógeno corporal e para pessoas que sofrem com tumores sensíveis a estrógenos, por exemplo, o câncer de mama, não é recomendado estimular esses receptores.

Já as mulheres que na menopausa não produzem mais a mesma quantidade de estrógeno que algum dia já produziu, podem ser beneficiadas com este aumento hormonal.

O consumo da soja é uma questão de moderação, tudo o que é demais faz mal e com a soja não é diferente, pois o consumo em excesso pode causar efeitos colaterais e prejudicar os órgãos reprodutivos e a tiroide, além baixar o apetite sexual de homens e mulheres.

Mas muita calma, a soja não se resume apenas em malefícios, ela contém propriedades antioxidantes e previne o câncer. O Japão tem a menor taxa de câncer de mama, próstata e útero devido ao consumo de soja. Ela ainda é rica em vitamina E, que combate o envelhecimento precoce, saponina que combate à esclerose das artérias, fibras que ajudam a regular o funcionamento do sistema digestivo, cálcio que fortalece os ossos e a lecitina, que ativa as células do cérebro.

 

Tanto os benefícios, quanto malefícios da soja são comprovados cientificamente, então evite o exagero e o excesso. É possível buscar outras fontes de proteína, como por exemplo, os legumes, além disso, um cardápio variado pode proporcionar mais satisfação e saúde ao seu corpo.

 

Cuide de sua saúde e tenha uma alimentação balanceada!