Hoje em dia, escuta-se muito falar de dietas restritivas ao glúten, não é mesmo? Ele tem se tornado praticamente um vilão. Mesmo as pessoas que não possuem intolerância ao glúten têm cortado alimentos à base dessa substância.

Mas será que o glúten faz tão mal assim? Vale a pena mesmo cortar o velho e bom pãozinho, massas e bolos, mesmo sem ter doença celíaca? Neste post, vamos falar sobre verdades e mitos relacionados à presença — ou ausência — do glúten nas dietas. Confira!

O que é a doença celíaca?

Antes de irmos direto às questões sobre o glúten, é importante falar um pouco sobre a doença celíaca, ou seja, a intolerância ao glúten. Esse é um tipo de doença autoimune, o que quer dizer que o próprio organismo entende que o glúten é prejudicial e começa a combatê-lo.

Nesses casos, a absorção de nutrientes, vitaminas, água e sais minerais fica prejudicada e leva a problemas intestinais, como inflamação no intestino delgado. Uma pessoa com doença celíaca, após consumir alimentos que contenham glúten, podem ter diarreias crônicas, vômitos, distensão abdominal, entre outros pequenos ou grandes problemas.

Como diagnosticar a intolerância ao glúten?

Se você costuma passar mal ao ingerir alimentos que contêm glúten e está na dúvida se é intolerante, é importante consultar um médico e fazer exames. No geral, os sintomas são enxaquecas, diarreias, prisão de ventre e náusea.

A melhor maneira de obter um diagnóstico seguro é realizar um exame de sangue para fazer a dosagem dos anticorpos contra o glúten. Também pode ser necessário fazer um exame no intestino, para verificar possíveis inflamações.

A intolerância ao glúten é um tipo de doença que não tem cura, e a única forma de evitar seus sintomas é, de fato, cortar o glúten da alimentação.

Mas será que essa restrição faz bem mesmo para quem não tem intolerância? É sobre isso que vamos falar agora!

Glúten faz mal?

O glúten faz mal apenas para pessoas com doença celíaca ou sensibilidade a essa proteína. Inclusive, especialistas aconselham a não retirá-lo da dieta.

Por outro lado, o excesso no consumo de alimentos que contenham glúten pode levar ao sobrepeso e à obesidade, pelo fato de também serem ricos em carboidratos. Então, é só ter moderação.

Uma dieta sem glúten é mais saudável?

Por mais que esteja na moda cortar o glúten da alimentação, essa não é uma solução para ser mais saudável. O glúten é fonte de proteínas vegetais, que são fundamentais para o bom funcionamento do organismo.

São elas que contribuem para manter o sistema imunológico ativo e comandam o reparo dos tecidos, por exemplo. Além disso, ao cortar o glúten, é comum acabar cortando os carboidratos, que nos dão energia.

Retirar o glúten emagrece?

Apenas cortar o glúten da alimentação não emagrece. O que acontece é que, geralmente, os alimentos que contêm glúten são os mesmos que possuem muito carboidrato, como pães, bolos e massas.

O carboidrato, sim, engorda quando ingerido em excesso. Ou seja, as pessoas perdem peso pelo corte de carboidratos, não de glúten.

Aveia, chocolate e medicamentos contêm glúten?

Pouca gente sabe, mas há muito mais produtos que contêm glúten do que imaginamos. Muitos chocolates e remédios podem ser fabricados com substâncias à base da substância. Também é comum encontrarmos o aviso “contém glúten” em embalagens de aveia. Ela pode conter traços de trigo, centeio e cevada por ser transportada nos mesmos locais que esses cereais.

Celíaco ou não, o importante é seguir uma dieta equilibrada e que mantenha o bom funcionamento do nosso organismo. Cada corpo reage de uma maneira a determinados alimentos, por isso, é preciso ficar atento aos alimentos que consumimos e às reações que eles provocam.

Se você tem alguma dúvida sobre intolerância ao glúten ou quiser compartilhar alguma experiência sobre o assunto, deixe-nos um comentário. Este é um espaço aberto a trocas!