Você já deve ter ouvido falar do termo “doenças sistêmicas”. Ele faz referência aqueles problemas que afetam o corpo humano como um todo. Dois exemplos, nessa categoria, são a diabetes e a hipertensão

Entendendo as doenças 

A primeira — a diabetes — trata-se da falta ou má absorção de insulina pelo organismo. A insulina é importante porque é o hormônio produzido pelo pâncreas que tem como função promover a quebra das moléculas de glicose (açúcar no sangue) e transformá-la em energia a ser aproveitada por todas as células do corpo. Ou seja, a falta (total ou, mesmo, parcial) desse hormônio interfere não só na queima do açúcar como, também, na transformação dele em substâncias como proteínas, músculos e gordura.

Existem dois tipos mais conhecidos de diabetes — os chamados tipos 1 e 2. O tipo 1 é o mais raro, acontece em cerca de 10% dos casos da doença.  Trata-se de uma condição autoimune — ou seja, o corpo ataca seu próprio pâncreas com anticorpos, danificando-o e fazendo com ele não produza mais (ou produz bem pouca) insulina. Isso acontece por conta de predisposições genéticas ou, ainda, por conta de células beta defeituosas no pâncreas (que são as produtoras da insulina). 

O tipo 2, por sua vez, é o mais comum. Ele acomete em cerca de 90% dos casos. Nessa categoria, o pâncreas produz insulina, mas ela não é suficiente para a necessidade do corpo ou, então, as células tornam-se resistentes a ela — condição conhecida como resistência à insulina. A diabetes tipo 2 está bastante associada ao excesso de peso e má alimentação.  

Já, a segunda — a hipertensão — refere-se ao aumento, por longo período, da pressão que o sangue faz quando circula pelas artérias do corpo. O problema também é conhecido como pressão alta. Em geral, considera-se hipertenso indivíduos que costumam ter a pressão acima de 14 por 19  o ideal é em torno de 12 por 8.

Mas, você sabia que controlar o uso de certos alimentos contribui muito para evitar esses tipos de doenças?

Não é novidade que cuidar da alimentação é essencial para manter um corpo saudável. O sal, o açúcar e os óleos em excesso são bastante prejudiciais à saúde, tanto a curto quanto a longo prazo, e estão entre os vilões responsáveis pelo desenvolvimento de doenças sistêmicas. O grande problema dessas substâncias é consumi-las em excesso.

Entre as indicações para evitar esse tipo de problemas estão, por exemplo, não adoçar ainda mais alimentos industrializados que já são adoçados; dosar a quantidade de óleo usado no preparo da comida, seja ele de girassol, de milho ou outros utilizados em receitas; sempre optar por assar os alimentos ao invés de fritá-los.

Temperos prontos também merecem atenção, pois, em geral, eles já contêm bastante sódio em sua composição. Sendo assim, o mais aconselhado para se alcançar uma alimentação saudável é evitar, também, o uso desse tipo de produto.

Você pode se interessar por esses outros conteúdos:

Depressão: entenda a doença e saiba como uma dieta vegetariana pode ajudar

Escalda-Pés: saiba o que essa prática simples pode fazer por você

Arte faz bem para a saúde e bem-estar

Outra boa sugestão para evitar doenças sistêmicas é aderir ao vegetarianismo

Um estudo publicado em fevereiro de 2018, na revista científica Nutrients, feito pelo Comitê de Médicos para Medicina Responsável (EUA), e outros parceiros, analisou, por 16 semanas, pessoas acima do peso e sem histórico de diabetes. Durante esse período, parte dos voluntários adotou o vegetarianismo ou  o veganismo, passando a ter uma alimentação pobre em gorduras e rica em frutas, verduras, legumes, grãos integrais e leguminosas, e sem limite de calorias. A outra parte não fez mudanças na alimentação.

As observações dos pesquisadores foram de que o grupo que aderiu ao vegetarianismo ou veganismo apresentou uma melhora na sensibilidade à ação da insulina. Situação que facilita a entrada do açúcar dentro das células, evitando que ele sobre na circulação sanguínea — que é onde ele causa estragos. Outra observação feita no estudo foi que o vegetarianismo ainda intensificou a ação das células beta do pâncreas. 

No caso da hipertensão, saiba que os produtos de origem animal contribuem para a elevação na tensão arterial; e que os vegetais são ricos em potássio, que, ao contrário do sódio, ajuda a diminuir a pressão arterial. 

A alimentação vegetariana ou vegana ajuda na prevenção da hipertensão, reduzindo os níveis de pressão arterial. Essa  foi também a conclusão de uma revisão de 39 estudos feita pelo departamento de medicina preventiva do National Cerebral and Cardiovascular Center, no Japão. Os resultados foram publicados em fevereiro de 2014, na revista JAMA Internal Medicine. A pesquisa incluiu 22 mil pessoas.

Para adequar a sua alimentação às suas necessidades e cuidar melhor da sua saúde, busque as orientações de um nutricionista. E conte com a linha de produtos da Superbom para ajudá-lo nessa caminhada!