O Brasil vive uma das crises políticas mais intensas de sua história. Os desdobramentos das investigações da Polícia Federal estão colocando em xeque poderosos caciques políticos e seus esquemas de corrupção.

No mês de março, a PF colocou em prática a maior operação já feita para investigar a venda ilegal de carne. Batizada de Carne Fraca, a investigação descobriu o envolvimento de políticos e de grandes frigoríficos no esquema de suborno de fiscais e venda de carne vencida e adulterada.

A população brasileira se viu diante de uma delicada situação. Estariam todos consumindo produtos de péssima qualidade há quanto tempo?

A falta de escrúpulos das mais de 30 empresas envolvidas enojou o consumidor e revoltou o mercado internacional. O resultado foi a diminuição imediata na exportação de carne, algo que pode gerar mais de R$ 1,5 bilhão em prejuízos anuais para a balança comercial.

Apesar de revoltante, podemos tirar algumas lições da situação, especialmente as relacionadas ao nossos direitos como consumidor. Selecionamos neste post algumas reflexões sobre o assunto. Confira!

Comida não é apenas mercadoria

O consumo desenfreado de alimentos abre espaço para atitudes que visam somente a manutenção dos lucros. Foi esta a razão que fez com que empresas de renome se envolvessem em esquemas de suborno de fiscais e políticos com o intuito de mascarar a venda de alimentos adulterados.

Tratar a comida somente como mercadoria fez com que a qualidade e a higiene ficassem em segundo plano, resultando em um mercado consumidor refém de uma indústria alimentícia voltada para a lucratividade em detrimento da qualidade de seus produtos.

Alimentos não são apenas mercadorias. Eles são a fonte de energia e saúde, e devem ser tratados como algo mais especial do que apenas produtos em uma embalagem.

Precisamos nos preocupar mais com os alimentos que consumimos

O consumidor deve se informar e procurar empresas que garantam a qualidade de seus produtos. Quando o assunto é alimentação, é preciso ler rótulos, conhecer os componentes e descobrir mais sobre a origem do que está sendo vendido.

Despertar o interesse pelos alimentos é fundamental. Precisamos entender que a melhor fiscalização sobre a indústria alimentícia é feita pelo próprio consumidor.

O consumo de carne precisa ser reavaliado

Não se trata de uma evangelização vegetariana, mas sim de um questionamento. Toneladas e toneladas de carne são colocadas à venda todos os dias para um mercado que não dá conta de absorver toda produção.

O resultado são inúmeros relatos de carnes estragadas sendo vendidas, com direito a truques para “renovar” seu visual. Um procedimento extremamente cruel feito com um único objetivo: evitar prejuízos. 

É preciso repensar o consumo de carne no Brasil e criar alternativas alimentícias para obter os nutrientes vindos do consumo delas. Além de existirem opções saudáveis e saborosas, reduzir o consumo de carne ajuda a resolver um outro problema de nosso país, que é o desrespeito ambiental. Segundo dados da ONU, 80% do desmatamento no Brasil é relacionado à pecuária. 

É preciso estimular produtores preocupados com aquilo que entregam ao consumidor

Um dos pontos mais importantes levantados pela Operação Carne Fraca é relacionado ao respeito com o consumidor.

As empresas envolvidas colocaram a saúde e o bem-estar de seus clientes em segundo plano e focaram apenas na lucratividade. Os consumidores sentiram-se traídos com a atitude e passaram a questionar algo muito importante: a missão e os valores colocados em prática pelas empresas.

É preciso fortalecer o consumo de alimentos feitos por pessoas preocupadas com a sustentabilidade de suas atividades e com a qualidade dos produtos entregues ao mercado.

Não há mais espaço para tratar comida como uma mercadoria qualquer, por isso, é fundamental procurar informações sobre os fabricantes e direcionar o consumo para as empresas que cuidam do meio ambiente e analisam os impactos da produção alimentícia. 

Essas foram algumas lições da Operação Carne Fraca que precisamos ter em mente antes da próxima visita ao supermercado. Lembre-se de que a sua saúde está diretamente relacionada com aquilo que você come — portanto, é preciso ser exigente e cuidadoso.

Gostou do texto? Então, compartilhe este material nas suas redes sociais e ajude outros consumidores a pensar melhor sobre a alimentação e seus impactos.