Parar de comer carne e derivados é considerado o ápice da consciência e da postura ética relativa ao sofrimento animal e aos problemas ambientais gerados pela pecuária e pela indústria “carnívora”. Quando o assunto é vegetarianismo, no entanto, existe uma gradação de padrões de consumo, já que muitas pessoas escolhem fazer uma transição lenta ou simplesmente reduzem a ingestão da forma como consideram compatível com sua rotina e suas demandas fisiológicas. No post de hoje, vamos explicar os tipos de vegetariano e quais são as diferenças entre eles. Vem com a gente!

Ovolactovegetarianos

Os ovolactovegetarianos são a maioria absoluta entre os vegetarianos e, embora não consumam nenhum tipo de carne, continuam ingerindo leite e derivados (manteiga, queijo etc.) e ovos. Uma pergunta frequentemente ouvida por quem opta por esse estilo de vida é em relação aos peixes. Pode parecer óbvio, mas muita gente tem essa dúvida. Peixes e frutos do mar, embora brancos, são carne e, portanto, estão excluídos. Assim como a salsicha, o presunto, a mortadela e outros embutidos.

Já ficou provado que, quando submetidos a um acompanhamento nutricional bem-planejado, vegetarianos conseguem cumprir a ingestão proteica apropriada. Apesar disso, algumas pessoas que querem cortar o consumo de carne podem optar por manter o leite e os ovos por terem dificuldades em atingir as cotas adequadas de nutrientes importantes (como proteínas e cálcio) ou simplesmente porque sentem prazer em consumir esses alimentos.

Lactovegetarianos

Conforme diz o próprio nome, esse estilo de vida aceita a ingestão de derivados do leite, mas exclui, além da carne, os ovos. Muitas vezes, esse tipo de vegetariano está associado a valores espirituais e religiosos (como no caso do hinduísmo e do budismo).

Para essas religiões, que são regidas pelo princípio da não violência, a crueldade envolvida no abate dos animais condena os seres humanos ao sofrimento. Por isso, não comer carne é também uma forma de exercitar a compaixão e de atingir o equilíbrio mental e espiritual.

Vegetarianos estritos

Esse tipo de vegetarianismo representa um passo a mais em direção ao veganismo: além de nenhum tipo de carne, também não são consumidos laticínios (leite, manteiga, queijo, iogurte etc.), ovos e mel — sim, é um produto de origem animal, embora muita gente se esqueça. O cardápio dos vegetarianos estritos contém grãos, leguminosas (importantes fontes de proteínas), hortaliças e oleaginosas.

Veganos

Trata-se de um estilo de vida mais complexo que os anteriores, já que tem mais restrições. No caso dos veganos, nenhum derivado animal é aceito e, por isso, é preciso ficar atento à composição de alimentos industrializados. A gelatina, por exemplo, contém cartilagem e corantes feitos de insumos animais e, portanto, não é consumida por esse grupo.

Produtos como couro, lã e cosméticos que são testados em animais também são boicotados pelos veganos, assim como qualquer outra atividade que envolva prejuízo animal, inclusive os zoológicos e aquários. Dentro desse grupo, alguns indivíduos são considerados frugívoros, isto é, só se alimentam de frutos.

Além desses tipos de vegetarianismo, existem outros grupos que visam à redução do consumo de carne, mas que não são considerados vegetarianos de fato. Os semivegetarianos, por exemplo, consomem carnes, geralmente brancas, menos de três vezes na semana. Já os pescovegetarianos, fazem a ingestão de peixes, frutos do mar e vegetais.

Outro grupo que costuma levantar questionamentos é o de pessoas que só se alimentam de produtos crus ou germinados — os crudívoros. Ao contrário dos frugívoros, esses indivíduos não são necessariamente veganos e podem fazer uso de derivados de animais, desde que estejam crus.

Conhecer mais sobre as opções de vegetarianismo é importante para que você repense seu consumo e possa adaptá-lo de forma coerente à sua realidade. Vale a pena lembrar ainda que, apesar das diferenças entre eles, todos os tipos de vegetariano têm em comum a busca por uma vida mais saudável e em harmonia com o meio ambiente.

Gostou das informações? Compartilhe este post nas suas redes sociais e espalhe essas boas ideias por aí!