Sempre ouvimos falar sobre a importância do consumo do leite de vaca em função do fornecimento de cálcio que ele proporciona. No livro “Galactolatria: mau deleite”, a escritora vegana Sônia Felipe (formada em filosofia e pós-doutora em Bioética) argumenta que o leite materno é o único que possui a proporção correta dos níveis de proteína, cálcio e outros elementos de saúde.  

Ela afirma que o leite de vaca não é bem digerido pelo organismo humano por questões biológicas, isso faz com que as pessoas sofram uma série de disfunções digestivas e outros males que os estudiosos apontam como de origem galactogênica. As descobertas sobre os males causados pelo leite são recentes. Segundo Sônia, essa é a principal justificativa para o tema não ser tão frequente nas pautas da mídia. 

No livro, a pesquisadora também critica a qualidade do leite que é vendido no país. Para ela, os chamados longa vida são processados com intuito também de mascarar contaminações causadas por sangue e pus de animais com inflamações em mamilos e cascos.

As vacas se tornam “máquinas” de fabricar leite e são tratadas com rações e procedimentos duvidosos que aumentam a produção. A cientista orienta aos pais que utilizem alternativas como leite de arroz, nozes, semente de girassol, semente de abóbora, amêndoa, castanha do Pará e de amendoim na substituição do produto animal.

Se você quiser saber mais detalhes sobre o estudo e as orientações da pesquisadora, siga o perfil Galactolatria: mau deleite no Facebook.

Fonte: EBC