31 out
Dia do Veganismo com a Superbom

Louise Wallis é um nome para ser lembrado, principalmente para quem se diz vegano. Isso porque, em 1994, então presidente da Vegan Society da Inglaterra, a instituição vegana mais antiga do mundo, estabeleceu o Dia Mundial do Veganismo com o objetivo de chamar a atenção para uma filosofia de vida que descarta o consumo de qualquer produto de origem animal. No Brasil, a comemoração vem de encontro a um momento em que a demanda muitas pessoas tem buscado produtos veganos, que cresce cada vez mais.

Segundo dados do Ibope de 2012, 8% da população brasileira se declara vegetariana, o que corresponde a 16 milhões de indivíduos.  Laurino, da SVB, lembra que não há pesquisa no Brasil sobre o número de veganos. Porém, de acordo com ele, é possível considerar a porcentagem de veganos (entre vegetarianos) em países onde pesquisas recentes foram conduzidas, e, assim, contabilizar o número no Brasil. “Nos EUA, cerca de 50% dos vegetarianos (16 milhões de pessoas) se declararam veganos em pesquisa recente do Instituto Harris Interactive. Já no Reino Unido, cerca de 33% dos vegetarianos (1.68 milhões de pessoas) se declararam veganos, de acordo com  o Ipsos MORI Institute. Portanto, se adotarmos a porcentagem mais conservadora (33%), podemos estimar que dos 16 milhões de brasileiros vegetarianos, cerca de 5 milhões seriam veganos”, projeta.

Aproveitando esse momento, nossa nutri, Cynthia Maureen, dá algumas dicas e fala dos benefícios dessa dieta estrita.

BENEFÍCIOS DA DIETA VEGANA

1. A dieta vegana pode salvar milhões de vidas humanas

Pesquisa publicada em março de 2016 no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences revelou que se todas as pessoas adotassem o veganismo, 8,1 milhões de vidas seriam salvas até 2050. De acordo com os pesquisadores da Universidade de Oxford (Inglaterra), que foram os idealizadores do estudo, o número está relacionado com a menor incidência de doenças como diabetes, obesidade, problemas cardíacos e câncer, comumente ligadas com a dieta que inclui alimentos de origem animal.

2. Menor possibilidade de desenvolver câncer

No mês de outubro de 2015, a Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu comunicado afirmando que o consumo excessivo de carnes processadas como salsicha, presunto, salame, mortadela, carne seca e carne enlatada, aumenta o risco de desenvolvimento de câncer, principalmente o câncer colorretal. “Como a dieta vegana exclui o consumo dos alimentos citados, seus adeptos possuem uma possibilidade menor de desenvolver a enfermidade”, pontua Cyntia.

Leia também:

Repolho Previne o Câncer
Consumo da Carne Vermelha Aumenta Chance de Câncer
Os Benefícios da Biomassa de Banana Para os Veganos

Dia do Veganismo com a Superbom

3. A dieta vegana pode contribuir para o emagrecimento

Os adeptos da dieta vegana não consomem gordura saturada encontrada em produtos de origem animal. A consultora da Superbom pontua que cada grama de gordura equivale a 9 kcal, assim, ocorre uma redução significativa no consumo final de calorias diárias. “Por conter variedade de vegetais e alimentos integrais, a alimentação vegana costuma ser rica em fibras que fará com que a pessoas comam porções menores e aumentará a sensação de saciedade, contribuindo para o emagrecimento e também para o bom funcionamento do intestino”, afirma.

4. Salva animais dos abatedouros

Ao não comprar ou consumir produtos de origem animal, o indivíduo sabe que está contribuindo para a queda da demanda desses alimentos e, consequentemente, pela diminuição das mortes dos animais. “É a melhor maneira de ajudar os animais e de acabar com o sofrimento deles. Nas fazendas industriais existem muitos casos em que eles são mantidos em condições ultrajantes e em espaços exíguos”.

5. Não consumir produtos de origem animal é uma atitude sustentável

A produção de carne afeta negativamente o equilíbrio do planeta pelos altos índices de desmatamento para pastagens para o rebanho bovino em regiões não recomendadas, como a Floresta Amazônica. “De acordo com a FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) é gasto 16 vezes mais água para produzir uma libra (o equivalente a 0,453 kg) de proteína de carne comparada à proteína vegetal”, informa a especialista.

6. Economia

De acordo coma nutricionista, seguir um cardápio isento de alimentos de origem animal não necessariamente compromete o orçamento familiar, muito pelo contrário. “Em uma dieta convencional, é o consumo da carne animal que acaba onerando as compras, já que o produto tem um alto valor agregado. No caso dos  veganos, a base da alimentação inclui verduras, legumes, hortaliças e cereais, que são os alimentos mais baratos na gôndola do supermercado”.

Informação é essencial

Por fim, a especialista destaca que o mais importante quando o assunto é dieta vegana é a informação. “Quanto mais a pessoa conhecer a procedência do que consome, as necessidades do próprio corpo e a composição de uma dieta equilibrada, que seja capaz de fornecer os nutrientes necessários, mais certeza ela terá de que está no caminho certo quanto aos seus hábitos alimentares, melhorando assim sua qualidade de vida”, conclui a nutricionista e consultora da Superbom.

Aproveite e baixe agora o APP Superbom! 

11out_capa

‹ Voltar