A alimentação rege muita coisa no nosso corpo, funções importantíssimas do organismo são reguladas por aquilo que comemos. Certamente, “você é o que você come”. Entretanto, há questões ideológicas que também influenciam algumas pessoas no momento de comer e até mesmo no seu modo de vida. Tendências alimentares e filosóficas pautadas no respeito aos animais têm sido popularizadas atualmente. Mas será que você sabe quais são as diferenças entre vegetarianismo e veganismo?

1. Qual a origem?

As origens do vegetarianismo enquanto hábito alimentar apontam para quando o homem ainda não tinha habilidades e as ferramentas necessárias para caçar. Sendo assim, os primeiros humanos se alimentavam majoritariamente de frutas e outros vegetais.

Foi nas civilizações antigas do oriente que o vegetarianismo começa seu caráter ideológico. A sacralização dos animais na Índia e o budismo no Japão traziam o vegetarianismo para uma esfera religiosa. Na China, alguns imperadores incentivavam o vegetarianismo entre seus súditos, com um caráter político.

No ocidente

O início da ideologia vegetariana no ocidente é associado ao filósofo e matemático Pitágoras. Sua escola pregava a pureza dos hábitos cotidianos, a fim de alcançar o aperfeiçoamento espiritual. Portanto, era terminantemente proibido o consumo de carnes.

Para Pitágoras e seus discípulos da escola de Crotona, é impossível manter um aperfeiçoamento espiritual sem demonstrar compaixão aos outros animais, daí sua abstenção das carnes.

Uma vertente mais recente

O veganismo, por sua vez, se desponta como uma vertente mais nova do vegetarianismo. As primeiras ideias surgiram no século XX, na Inglaterra, com o marceneiro Donald Watson, secretário da Sociedade Vegetariana de Leicester.

Em 1944 ele se incomodou com o fato de vegetarianos consumirem leite, cuja extração causa danos à qualidade de vida das vacas. Sua ideologia foi popularizada entre a comunidade devido a uma infecção das vacas inglesas por tuberculose em 1945.

2. Quais são os hábitos alimentares?

Existem escalas de vegetarianismo, que correspondem às necessidades fisiológicas e ideológicas daqueles que assumem a dieta. Claro que todos excluem a carne do cardápio.

Os ovolactovegetarianos consomem ovos e laticínios, enquanto os lactovegetarianos cortam os ovos da dieta. Os vegetarianos estritos não se alimentam de ovos nem de leite, porém consomem mel.

Por sua vez, os veganos excluem todos alimentos de origem animal, ressaltando sempre sua identidade política e ideológica no que diz respeito aos direitos dos animais e extrapolando a esfera alimentar.

3. Quais são as ideologias?

Questões ligadas aos direitos dos animais são relativamente recentes, e a ideia do veganismo está diretamente ligada a esse posicionamento político. Trata-se de um vegetarianismo restrito, consumindo apenas alimentos de origem vegetal. Ou seja, leite e seus derivados, ovos e até mesmo mel estão cortados.

O veganismo é entendido como um estilo de vida. Não se trata apenas de não comer nada de origem animal, mas de mudar todos os hábitos de consumo que envolvam a exploração de animais. Ou seja, é uma filosofia que prega o respeito aos seres vivos em todas as esferas.

Agora que você já conhece as principais diferenças entre vegetarianismo e veganismo, toparia adotar uma dessas filosofias? Você já é vegetariano ou vegano? Compartilhe sua experiência ou suas dúvidas conosco nos comentários.