A vida moderna nos traz uma rotina corrida e muitas vezes estressante, com isso aderimos a maus hábitos alimentares. Quando o dia termina a única coisa que se quer fazer é chegar em casa e relaxar ou então encontrar os amigos, fazer um happy hour e comer alguma coisa. Nesses meio tempo é difícil parar e pensar em cozinhar, a melhor saída é comprar algo pronto para comer, onde o fast food (comida rápida) “PARECE” ser uma boa solução, mas será que essa é mesmo a melhor escolha?

Essa tendência americanizada de se alimentar alcançou um espaço extremamente grande por todo o mundo, onde procuram apresentar, junto à publicidade, um conceito “saudável” e prático de alimentos que sejam atrativos aos olhos, principalmente às crianças e adolescentes. Dessa forma aumenta cada vez mais o índice de obesidade e de uma saúde prejudicada pelo tão desejado fast food.

O conceito do Fast Food foi criado em 1916, na cidade de Wchita, no Kansas, Estados Unidos. A empresa de J. Walter Anderson, a White Castle, vendia hambúrgueres com batatas fritas e refrigerante (o famoso combo), a preços acessíveis. A White Castle começou a alcançar popularidade e até o final dos anos 20, já estava instalada em doze grandes cidades dos Estados Unidos.

O estilo de venda combo foi imitado por outras redes do país e na década de 30 o conceito fest food estava presente em cinemas ao ar livre, onde pessoas assistiam filmes dentro de seus carros, também surge a partir daí o sistema drive in. Mas o maior desenvolvimento e ampliação do fast food apareceu em 1948, com os irmãos Mc Donald`s, que implantaram uma verdadeira linha de produção alimentar, onde cada funcionário tinha uma função específica a desenvolver, atendendo um pedido em menos de 1 minuto. Em 1954, foi adotado o sistema franchising, com a parceria de Raymond Kroc que se associou aos irmãos Donald`s, então a rede se expandiu por todo o mundo.

O método frenchising se aperfeiçoou e foi aderido por outras redes como: Burguer King, Pizza Hutt (pizzas), Subway (sanduíches), Baskin Robbins (gelados) e Kentucky Fried Chicken (galinha).
Por mais popular que tenha se tornado esse tipo de alimentação, a verdade é que nunca foi um método saudável de se alimentar. Todos os anos cresce o índice de obesidade entre os adéptos do fast food, principalmente entre os jovens. Se você também tem o hábito de consumir esse tipo de alimentação, mas tem a consciência de que não faz bem, comece hoje mesmo a mudar sua rotina alimentar. Prefira alimentos feitos de produtos saudáveis, do tipo lanches e sucos naturais e de adeus as frituras e refrigerantes.

Com uma alimentação saudável é possível garantir o bem estar e evitar doenças como obesidade, infarto e outros problemas cardíacos. Ninguém pode cuidar melhor de sua saúde do que você mesmo.

Até a próxima!