Muito se tem debatido sobre o auxílio de alguns chás para controle do peso e manutenção da saúde. São bebidas naturais e que ajudam a manter a dieta com nutrientes necessários para o corpo, além de utilizar sabores das ervas para dar aquele gostinho nos dias mais frios. Mas, mesmo com os inúmeros benefícios dessas bebidas, é necessário se atentar também para alguns problemas que determinadas combinações e o uso em excesso podem trazer. Para que você possa tomar o seu chazinho com segurança, selecionamos situações que devem ser evitadas.

– Ervas diuréticas como a cavalinha, abacateiro e alcachofra, devem ser usadas com cuidado. O excesso pode causar a perda de potássio, provocando tonturas, fraqueza muscular e fadiga.

– Ervas estimulantes x ervas calmantes não combinam. Elas têm quase a mesma função: os chás calmantes (camomila, melissa, jasmim) atuam no sistema nervoso, trazendo a sensação de tranquilidade e bem-estar, diminuindo a compulsão por comida. Já os estimulantes (fucus, sene, malva) são ricos em fibras solúveis que formam um gel no estômago dando a sensação de saciedade e fazendo com a que pessoa coma menos.

– Chá verde: tem alto índice de cafeína e deve ser evitado por quem sofre de problemas estomacais, e por quem insônia, por sua ação estimulante.

– Camomila: associado ao ácido acetilsalicílico (aspirinas) provoca hemorragia estomacal. Por suas propriedades digestivas, anti-inflamatórias e analgésicas, ela potencializa os efeitos da aspirina, que também tem ação analgésica e antiplaquetária, ou seja, impede que as plaquetas de coagularem.

– Kawa-kawa: indicado para combater ansiedade e estresse, não é indicado para quem sofre de doenças hepáticas, pois seu uso constante diminui os níveis de proteínas plasmáticas.

– Artemísia: tem ação estimulante sobre o útero e ovários, por isso, seu consumo deve ser de no máximo duas xícaras para não causar uma hemorragia menstrual.

Fonte: Shape