Talvez você esteja cansada de ouvir “ você é o que você come”, mas saiba que essa informação é a mais pura verdade. Uma alimentação saudável proporciona qualidade de vida e faz com que nosso corpo funcione adequadamente, respondendo a todas as funções e também é a melhor forma de prevenção para qualquer doença.

Você sabia que o humor, o estresse e a ansiedade se alteram de acordo com o que você ingere? Uma alimentação saudável pode manter a pressão equilibrada e prevenir sintomas da menstruação, como a famosa TPM! Outro fator também, é que muitas mulheres por não terem paciência com a mudança do seu corpo com a alimentação regrada, optam por inúmeras cirurgias, esquecendo dos riscos e consequências que elas podem acarretar.

As mulheres além de viver mais tempo que os homens (em média de 6 a 8 anos) possuem características biológicas próprias, que exigem cuidados nutricionais específicos. Em termos gerais, nós somos mais leves, menores e temos maior porcentagem de gordura corporal e menor taxa de metabolismo. Desanimador?! Calma! Não se desespere00

Por ter menor taxa de metabolismo basal, é aconselhável por exemplo, ficar mais atenta à quantidade de calorias diárias e, principalmente, qual a qualidade nutricional dos alimentos que estão consumindo.

E a nutrição na adolescência?

Por ser uma fase de descoberta merece atenção redobrada, pois este é o momento no qual criamos dependência de acordo com os hábitos alimentares e vamos ser sinceros…a adolescência não é sinônimo de boas escolhas alimentares. Durante a puberdade, o corpo se desenvolve mais rapidamente, portanto, a ingestão adequada de nutrientes é fundamental para acompanhar este ritmo.

E quando a idade avançada chega?

A menopausa é um grande inimigo da terceira idade e aliado ao estresse psicológico e a vulnerabilidade, a situação só piora. Mas, vou contar um segredo: A alimentação pode ajudar a amenizar todos esses fatores! A dieta alimentar nesta fase é bastante diferente das demais etapas da vida. O processo de envelhecimento vem acompanhado de uma série de mudanças na função hormonal, no metabolismo energético e também na atividade diária, o que afeta a necessidade de nutrientes específicos. Com os alimentos certos e uma alimentação regrada, existem sim, alimentos que podem nos ajudar nesses aspectos.

 

             

                                Essa tabela, pode te ajudar a organizar seu novo estilo de vida. Foto: Saúde e Nutrição.

 

A Superbom bateu um papo com a nutricionista Allyne Viégas e, ao contrário do que você pensa, ter uma alimentação balanceada não é tão difícil assim.

Superbom: A alimentação influencia na autoestima?

Allyne Viégas: Sim. A auto estima é o apreço, valorização e confiança que uma pessoa tem por si própria. A mesma pode ser influenciada diretamente pelo comportamento alimentar do indivíduo; pois, aquele que se alimenta de maneira saudável, sente-se seguro e satisfeito consigo mesmo. Já aquele que se alimenta de maneira inadequada, pode ter consigo sentimento de culpa, insegurança e insatisfação em relação à consciência e imagem corporal, o que contribui para que o indivíduo se sinta com a autoestima baixa.

Superbom: Como ter uma alimentação regrada sem gastar muito?

Allyne Viégas: Adquirindo produtos “in natura”, que estão em safra, pois são alimentos de baixo custo, e são produzidos em condições climáticas ideais, por isso, o alimento tem um melhor desenvolvimento, oferecendo maior valor nutricional. Assim sendo, recomenda-se que a compra seja realizada em feiras e hortifrútis.

Superbom: Existem pessoas que não possuem muitos recursos em casa para preparar uma alimentação saudável. Como ela pode mudar a sua alimentação consumindo apenas os produtos que já tem?

 Allyne Viégas: Como já falei comprando alimentos “in natura” que estejam em período de safra, pois possuem menor custo. Utilizando esses alimentos pode-se fazer preparações saudáveis como geleias e sorvetes de frutas e patês. Assim, você substitui o uso de alimentos industrializados, reduz o consumo de sal, açúcar e gorduras trans. Uma estratégia é preparar alimentos saudáveis em maiores quantidades e depois congelar.

Por: Tainá Macedo