Mundo afora, cada vez mais pessoas estão questionando os seus hábitos alimentares (e os de familiares e amigos), em um processo que está fazendo muita gente retirar a proteína animal do cardápio. A nova realidade de compartilhamento de informações por meio da Internet permitiu que mais indivíduos tomassem conhecimento do veganismo — e dos impactos positivos da sua adoção para o planeta e para o corpo. Isso impulsionou o número de veganos em países como o Brasil e os Estados Unidos, nações marcadas por um grande consumo de carne.

Como toda corrente de pensamento que contradiz os costumes de um mercado de consumo, o estilo de vida vegano é exposto a diversos rumores. Veja agora 6 mitos e verdades sobre o veganismo que você precisa conhecer para acabar de vez com as suas dúvidas! 

1. Veganos têm deficiência em cálcio

Mito. Muitas pessoas acreditam que os veganos sofrem de deficit de cálcio no organismo, uma vez que eles não consomem leite e demais laticínios. Sem dúvidas, esses alimentos têm altos índices dessa substância, porém, não são as únicas fontes. Já é possível encontrar leites vegetais fortificados com cálcio, por exemplo. Além disso, itens como a couve, o brócolis e o tofu também são ricos nesse elemento. 

2. Veganos sofrem para obter proteína

Mito. Encontrar fontes de proteína para substituir o consumo de carne não é nada complexo. Basta expandir um pouco o universo de alimentos e você encontrará opções, como as leguminosas (soja, lentilha, feijão, quinoa e trigo sarraceno). Não se deixe levar pelo senso comum! É bem simples encontrar proteínas de origem vegetal para substituir as carnes, os ovos e os laticínios. 

3. Crianças podem adotar o veganismo

Verdade. Apesar de ser um caso que demanda mais cuidados do que o de um adulto, é possível criar uma criança com uma alimentação vegana, desde que haja um acompanhamento nutricional controlado. Isso porque é preciso ter bastante atenção para que não falte nenhum nutriente necessário para o desenvolvimento delas.

4. É muito difícil encontrar comida vegana

Mito. Há alguns anos a afirmação acima estaria totalmente de acordo com a realidade, porém, de uns tempos para cá, esse mito foi se tornando cada vez menos procedente. Houve uma exponencial difusão da cultura vegana, que resultou na existência de mais de 5 milhões de adeptos desse estilo de vida no país. Isso resultou em um crescimento de 40% para o mercado de artigos veganos.

Todas essas mudanças econômicas fizeram com que o veganismo finalmente recebesse a devida importância por parte da indústria alimentícia, e hoje é possível contar com linhas completas de produtos voltados a esse público.

5. Adotar o estilo de vida vegano pesa no bolso

Mito. Há algum tempo, a indisponibilidade de produtos no mercado fazia com que os preços fossem muito altos. Porém, a ascensão de linhas especializadas em artigos veganos e o crescimento no cultivo dos vegetais (principalmente os orgânicos) fez com que o veganismo se tornasse mais acessível — as vezes até mais em conta do que a alimentação onívora.

6. O veganismo faz bem ao planeta

Verdade. Além de garantir o bem-estar dos animais, o estilo de vida vegano preserva o meio ambiente, evitando que mais áreas (como a floresta amazônica e o cerrado) sejam desmatadas para dar espaço às criações da indústria de carne.

Ademais, o espaço utilizado para pastagem dos rebanhos seria muito mais bem-aproveitado se fosse ocupado por culturas vegetais. Por isso, o veganismo se apresenta como uma solução viável para questões alimentícias e ambientais do Brasil e do restante do planeta.

Essas são algumas informações importantes que é preciso ter em mente quando o assunto é os mitos e verdades sobre o veganismo. Quer adotar esse estilo de vida, mas não sabe por onde começar? Neste post damos ótimas dicas de como virar vegano aos poucos. Corre para ler!